CD Marginal - 2005

Ouça as músicas e faça Downloads

Classe Média

Max Gonzaga

Sou classe média

Papagaio de todo telejornal

Eu acredito

Na imparcialidade da revista semanal

Sou classe média

Compro roupa e gasolina no cartão

Odeio "coletivos"

E vou de carro que comprei a prestação

Só pago impostos

Estou sempre no limite do meu cheque especial

Eu viajo pouco, no máximo um pacote CVC tri-anual

Mais eu "to nem ai"

Se o traficante é quem manda na favela

Eu não "to nem aqui"

Se morre gente ou tem enchente em Itaquera

Eu quero é que se exploda a periferia toda

Mas fico indignado com estado quando sou incomodado

Pelo pedinte esfomeado que me estende a mão

O para-brisa ensaboado

É camelo, biju com bala

E as peripécias do artista malabarista do farol

Mas se o assalto é em Moema

O assassinato é no "Jardins"

A filha do executivo é estuprada até o fim

Aí a mídia manifesta a sua opinião regressa

De implantar pena de morte, ou reduzir a idade penal

E eu que sou bem informado concordo e faço passeata

Enquanto aumento a audiência e a tiragem do jornal

Porque eu não "to nem ai"

Se o traficante é quem manda na favela

Eu não "to nem aqui"

Se morre gente ou tem enchente em Itaquera

Eu quero é que se exploda a periferia toda

Toda tragédia só me importa quando bate em minha porta

Porque é mais fácil condenar quem já cumpre pena de vida

Toda essa gente

Max Gonzaga

Tem gente acordando bem cedo

tem gente falando no rádio

tem gente no noticiário

tem gente nos apartamentos


Tem gente pensando na vida

olhando o relógio pro tempo passar

tem gente andando apressada

pois tem compromisso e não pode esperar

Não, não

Tem gente espremida nos trens

tem gente esperando o metrô

tem gente nos supermercados

nas obras e nos escritórios


Tem gente chamando a polícia

querendo emprego ou perdendo o que tem

tem gente querendo comida

tem gente querendo ser gente também

Também, também


Tem gente em congestionamentos

tem gente bebendo cerveja

tem gente rezando na igreja

tem gente driblando os tormentos


Tem gente que vai ao cinema

teatro, a shows e dança muito bem

com toda essa gente no mundo

me explica por que é que eu não tenho ninguém

Ninguém, ninguém

Qualquer Impossível

Max Gonzaga

Suas armas não me atingem

minhas asas são como couraças de aço

seu perfume não me envenena

ele não é 'Kriptonita'

Sou 'Multi-homens' pra me dispersar

'Homem-mola' pra saltar pra longe

'Homem-fluido' pra escorrer entre os seus dedos

eu sou qualquer impossível pra sumir de você

Seus mistérios não me surpreendem

eu posso lhe ver entre as alvenarias

com minha íris raio-x

Seus abraços não me assaltam

eu lhe pressinto pois tenho

o sentido aracnídeo do perigo

Vivo nas trevas dos becos de 'Gothan City'

exibo as lâminas que saem dos meus antebraços

vôo nas labaredas que se esvaem do meu corpo

eu faço qualquer impossível

Pra sumir de você

Qualquer impossível

qualquer herói de HQ

sabe que é impossível

não há poderes pra vencer

a força de quem te ama

Suas armas sempre me atingem

seu perfume sempre me envenena

seus abraços sempre me assaltam

seus mistérios...

Tudo é tão impossível

Sorriso Luz

Max Gonzaga

Todos queremos voltar

nosso tempo e mudar o pior

como livros que já li

releio pra ver se muda o final

muda o final

muda e traz de volta

seu sorriso luz divino

explica pra mim

por que não tem

vida em vídeo-tape

pra poder fazer de novo

another way

chorei, chorei

mas você quis partir

porém, você terei

pra sempre vivo em mim

another way

Marginal

Max Gonzaga

Marginal

sentido centro

da minha cabeça

da minha enxaqueca dessa cidade


Marginal

sentido e triste

tomado de assalto

envolto ao esgoto

em moldura de asfalto


Marginal

tenho aprendido

quanto dura a nossa vida é

poucos por um


Marginal

da boca pra fora

dos olhos pra dentro tudo é

igual e comum


Veludo sob seus pés

desejo milenar

verniz sobre seu olho nu

pra o que se vê brilhar

Pra o que se vê brilhar

pra tudo que a gente vê brilhar


Marginal, sentido

Eu espero

Max Gonzaga

Quando criança

alguém me disse

que a vida era só felicidade

desde então eu espero


Também disseram

estude os livros

pra saber tudo e ganhar muito

assim espero


Hoje trabalho

com o que não quero

sei quase nada e ganho pouco

mas eu tolero


Caso com ele

com seus defeitos

mas apostando que ele vai mudar

então tolero


Os filhos nascem

a vida muda

e eu me entrego a este milagre

e com prazer eu espero


Os filhos crescem

e vão embora

levando junto

minha juventude


Eu espero por felicidade

por dinheiro e sabedoria

eu tolero o trabalho que odeio

eu tolero a quem eu nem amo

eu espero os meus filhos crescerem


Pra uma vida tão curta

eu espero e tolero demais.

Quando criança

alguém me disse

que a vida era só felicidade

Mapa

Max Gonzaga

Menina linda

não vou mais poder te ver

minha vaidade não consegue entender

a geografia

menina linda

não consigo compreender

tanta atitude no trajeto indigesto

dessa trilha

você vive distante, é insegura

e não tem muita cultura

saúde frágil e pouca educação

somos desiguais pela distância

mapa-mundi ignorância

eu na 'Groelândia' e você em 'Pirituba'

menina linda

não vou mais poder te ver no 'Mandaqui'

eu moro logo ali na 'Dinamarca'

menina linda

nosso amor vai perecer

nessa distância

entre o que sou e o que você não pode ser

você demora tanto pra voltar pra casa

você não tem remédio

mas crê estar cumprindo uma missão

somos desiguais pela distância

mapa-mundi ignorância

você na 'Brasilândia' y yo viviendo en la Calle 'Cuba'

você no 'Ermelino'

eu na 'Venezuela'

você em 'São Miguel'

e eu na 'Filadélfia'

você 'Jardim Japão'

e eu na 'Noruega'

você na 'Vila França'

e eu vivendo na Inglaterra

você em 'Guaianazes'

e eu na 'Costa Rica'

você em 'Itaquera'

e eu morando na 'Suíça'

você 'Capão Redondo'

e eu 'Estados Unidos'

somos sim tão desiguais

mas transversais da grande

Avenida Brasil

meu injusto Brasil brasileiro

A Dama da Noite

Max Gonzaga

O perfume que encerra

Suas formas me faz crer

Que tenho inveja do avesso do vestido

Que toca, sente e roça sua pele até estar


Com o seu cheiro e alguns fios de cabelo

Com o vinco dos joelhos recolhidos

Que estampa as costuras nas suas costas

Que é o invólucro sagrado dos seus seios


E dos pingentes

E dos colares


Dama da noite

Diva e flor

Um seu satélite

É o que sou


O perfume que encerra

Suas formas me faz crer

Bijuterias

Max Gonzaga

Nas orelhas da sereia

na paisagem que é seu colo

no entrelace dos seus dedos

vou encontrar...

Bijuterias


Contornando o tornozelo

entre o punho e o cotovelo

combinando com o esmalte

vou encontrar...

Bijuterias


O seu sorriso sim

é jóia rara

as suas íris sim

são gemas caras


Rubis e esmeraldas

não são páreo para você

quem dera fosse eu

um solitário

Helicóptero

Max Gonzaga

A chuva vem

testar os meus nervos

leptospirose nos vórtices

das águas de março


E do mirante bucólico das cumeeiras

choro pra vista da perda da dignidade


Mas hoje eu vou voar

de Helicóptero


O "Águia' no céu

a água no chão

há água nas paredes

flutua o nosso colchão


E do cenário perpétuo dos desabrigados

o desespero nas mãos de dedos enrugados

de pais e de filhos

do Espírito Santo que te resgatou


Mas hoje eu vou voar

de Helícóptero

Veludos e Colares

Márcio Policastro

Todos os olhares

com que você cala a minha solidão

com um silêncio

azul, meu coração

Ávido, tímido


Todos os veludos

e colares que você trás dos brechós

para o tom

da sua voz

Cálido, tudo me seduz


Todos os lunares que Ares

pôde arrebatar da luz

pro seu corpo nu

amanhecer colado em minha pele


Dos lugares que aos milhares

pouso pelo seu vênus

pelo menos que a vida abra o seu odu

e me revele

Copyright 2012 Max Gonzaga All rights reserved.